Ir direto para menu de acessibilidade.

Governo do Estado realiza visita técnica ao pronto-socorro de Rio Branco

por Sesacre | publicado 28 de janeiro de 2020 | última modificação 28 de janeiro de 2020

Objetivo é levar ao conhecimento do secretário da Casa Civil as melhorias de estrutura e organização que precisam ser realizadas na unidade 

Foram cinco andares percorridos pelo secretário de Saúde, Alysson Bestene, e o secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, olhando e ouvindo atentamente cada ponto, cada necessidade estrutural e de organização do pronto-socorro de Rio Branco, que atende não só a capital, mas a todos os municípios do estado. A visita foi realizada durante toda a manhã desta segunda-feira, 27.

As medidas emergenciais fazem parte de uma força conjunta do Gabinete Civil do governador com a Secretaria de Estado de Saúde e Secretarias de Fazenda e Planejamento para a humanização no setor da Saúde.

“A ação é de extrema importância”, enfatizou o secretário de Saúde, Alysson Bestene, que fala ainda que a integração entre as secretarias dá celeridade aos serviços que precisam ser realizados no pronto-socorro. 

Além de reformas na estrutura do prédio, segundo Alysson, as questões administrativas e organização de fluxo também serão estudados Foto: Júnior Aguiar

Ladeado pelo gerente geral do pronto-socorro, Areski Peniche, pelo secretário de Saúde, Alysson Bestene, pela secretária de assistência à Saúde, Paula Mariano, e pelo secretário executivo, Paulo Justino, o secretário Ribamar Trindade percorreu as dependências da unidade, especificando cada detalhe que merece melhoria. 

“Trazer uma saúde de qualidade para a população. É isso o que a gente almeja, trabalhando em equipe, acima de tudo, e integrando todas as áreas e, consequentemente, essa união traz rapidez aos processos e demandas”, destacou o secretário Alysson Bestene. 

Além de reformas na estrutura do prédio, segundo Alysson, as questões administrativas e organização de fluxo também serão estudados. 

“A Sesacre aderiu ao Programa Lean junto ao Ministério da Saúde e o Hospital Sírio Libanês, que vai ajudar a melhorar o fluxo de atendimento e dar celeridade ao atendimento das pessoas que procuram o PS”, salientou Bestene. 

Já na próxima semana, terão início algumas reformas como a ampliação da sala de observação e reforma da emergência clínica “que é para evitar qualquer possibilidade de pacientes nos corredores, e trabalhar a humanização, que é o mais importante para os pacientes”, destacou o secretário da Casa Civil Ribamar Trindade. 

Sem pacientes nos corredores

Maca nos corredores e paciente esperando por horas o atendimento já não é uma realidade no pronto-socorro, de acordo com o gerente geral da unidade, Areski Peniche.

“Nós conseguimos retirar os pacientes dos corredores. Os pacientes, ao darem entrada, são bem acomodados e recebem os atendimentos necessários”, destacou Areski.

As reformas na parte física, segundo Areski, “são um passo além, pois a melhoria da estrutura física está carente e precisa de um olhar carinhoso sobre a questão”, disse. Ainda, suspirou aliviado: “os secretários estão nos dando esse alento”.

Nós conseguimos retirar os pacientes dos corredores. Os pacientes, ao darem entrada, são bem acomodados e recebem os atendimentos necessários”, destacou Areski Foto: Júnior Aguiar

O pronto-socorro registra, por mês, cerca de 50 mil atendimentos em todas as especialidades; mais de mil internações e cerca de 450 cirurgias. 

A unidade conta com um quadro de 900 funcionários, que fica dividido em 250 profissionais por dia.

No Hemoacre, jovem comemora aniversário para incentivar a doação

por Sesacre | publicado | última modificação 28 de janeiro de 2020

Assistente social quis lembrar às pessoas da importância do gesto de doar sangue, ajudando hospitais e pronto-socorro

Hemocentro em festa neste sábado, para lembrar da importância da doação de sangue Foto: Hemoacre

O jovem Kaisson Moreira resolveu comemorar o aniversário de 22 anos de uma forma diferente, neste sábado, em meio à família, profissionais de saúde e doadores de sangue no Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre, o Hemoacre.

A ação, organizada pelo projeto social Olhar Diferente, uma entidade não-governamental que auxilia famílias carentes e incentiva a doação, da qual o jovem faz parte, serviu para conscientizar as pessoas para contribuírem com o hemocentro do Acre.

Josiane Amorim, gerente-geral do Hemoacre, com servidoras do centro e voluntárias Foto: Hemoacre

“Quis fazer algo diferente, trazendo nossos amigos e comemorando um dia aqui com eles. A ideia não é o aniversário em si, mas conscientizar as pessoas que devem ajudar nesse trabalho tão edificante que é colaborar com a vida por meio das bolsas de sangue”, ressalta o jovem que, recentemente, concluiu o curso de educação física e trabalha como assistente social com crianças especiais.

O projeto Olhar Diferente, o qual ele representa, promove ações sociais em datas significativas para comunidades carentes de Rio Branco, como por exemplo, o Dias das Crianças e o Dia das Mães.

Kaisson Moreira com amigos e familiares voluntários do projeto Olhar Diferente, que também auxilia o Hemoacre Foto: álbum pessoal

Para Josiane Amorim, gerente-geral do Hemoacre, a população pode colaborar mais, sobretudo, neste período de início de ano. “Estamos sempre abertos para doações de sangue, um ato de amor e um presente para quem precisa”, ressalta.

Recentemente, a unidade conseguiu a coleta de 50 bolsas de sangue em Senador Guiomard, por meio da sua equipe itinerante no ônibus da instituição. Agora, a ideia é massificar as informações de como ajudar na doação, visando o Carnaval, em fevereiro.

Equipe do centro cirúrgico brinca com crianças para acalmá-las antes de cirurgias

por Sesacre | publicado | última modificação 28 de janeiro de 2020

Atendimento humanizado é oferecido no Hospital Dr. Ary Rodrigues, em Senador Guiomard

O atendimento humanizado como uma abordagem importante no tratamento dos pacientes, especialmente quando se trata de crianças tem funcionado de maneira positiva no Hospital Dr. Ary Rodrigues, em Senador Guiomard, que passou a receber também acolhimento dos profissionais do centro cirúrgico da unidade para amenizar a ansiedade dos pequenos prestes a passar por cirurgias.

Humanização do atendimento tem contação de histórias e brincadeiras Foto: Cedida

A humanização do atendimento tem contação de histórias e brincadeiras, que segundo a direção do hospital é uma forma de aumentar a confiança, a aceitação e a qualidade de vida das crianças durante todo o processo de tratamento. “De forma voluntária são os próprios servidores do centro cirúrgico que realizam essa abordagem com as crianças antes das cirurgias, uma forma de acalmá-las e passar maior confiança tanto em relação à equipe como também no procedimento”, destaca o diretor da unidade, Lamartine Maia.

A unidade agora dispõe de dois centros cirúrgicos e vem realizando cirurgias reguladas pela Fundação Hospitalar reduzindo, assim, o tempo de espera dos pacientes. No Hospital Dr. Ary Rodrigues, mais de 80 pessoas da fila da cirurgia, moradores de Capixaba, Plácido de Castro, Acrelândia, Vila Campinas e do próprio município de Senador Guiomard, passaram pelo bisturi da equipe médica da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), desde o dia 8.

Pedreiro de 43 anos é o primeiro transplantado de fígado de 2020 na Fundação Hospitalar

por Sesacre | publicado 27 de janeiro de 2020 | última modificação 27 de janeiro de 2020

Secretaria de Estado de Saúde reinicia transplantes na Fundação Hospitalar que em 2019 chegaram a 25; ex-colono recebeu um fígado novo, na noite deste domingo, 26

Um dos médicos, Nilton Ghiotti, durante o procedimemto cirúrgico, o primeiro de 2020, para transplantar um fígado de um doador de Rondônia Foto: Odair Leal/Secom

Eram 18 horas quando a mensagem mais esperada de domingo surgiu na tela do aplicativo de conversa do celular da doméstica Marlene Franco, 47 anos, no loteamento Portal da Amazônia, bairro Calafate.

– Vai ser o pai

– Que Legal…Verdade

– Siim – dedilha Cíntia Franco Parente, de 19 anos, filha de Marlene, ainda desajeitada, amarrando com uma das mãos os cabelos que caíam sobre a testa, sentada numa cadeira do leito 133 da enfermaria ‘A’, da Fundação Hospitalar.

– Tô chorando… Jura. Nossa… Meu Deus – responde a mãe, encerrando temporariamente o diálogo às 18h02, ao saber que finalmente chegou a oportunidade de uma nova vida para o esposo, Francisco Adalberto Parente Pinto, o ‘Chico Alberto’, de 43 anos. Há quatro, ele vive à espera de um milagre na lista do Sistema Único de Saúde para a cura da cirrose causada pela hepatite B em estado avançado.

Chico Alberto com a filha, Cíntia, na enfermaria ‘A’ 133 da Fundação Hospitalar; chegou o dia para uma nova vida longe da hepatite B Foto: Odair Leal/Secom

No início da noite deste domingo, 26, o pedreiro nascido em Feijó no Seringal Santa Rosa, colocação Mamoeira, tornou-se o primeiro paciente de 2020 a ser transplantado de fígado pela equipe de médicos da Fundação Hospitalar do Estado do Acre (Fundhacre).

Quarenta minutos antes, o médico Leonardo Toledo, que coordena a equipe de cirurgiões, chegava a passos largos, arrastando o carrinho com a térmica do novo fígado até o centro cirúrgico. O órgão veio de avião de um doador desde o Pronto-Socorro João Paulo 2º, de Porto Velho.

Médico Leonardo Toledo chega com o fígado que será transplantado no pedreiro; órgão veio de doador no Pronto-Socorro João Paulo 2º, de Porto Velho Foto: Odair Leal/Secom

Uma hora antes, Chico contou que aos 23 anos, quando descobriu que estava doente, costumava caminhar entre charcos de igarapés secos na região do rio Envira, para caçar e coletar coquinhos de Ouricuri. Presume que foi neste ambiente insalubre que contraiu a doença, potencializada pela aguardente de cana-de-açúcar.

Francisco Franco, de 43 anos, com a filha, Cíntia, na enfermaria, 40 minutos antes da cirurgia; novo fígado após contrair hepatite Foto: Odair Leal/Secom

“No verão, formavam aqueles poções de água salobra, empoçada mesmo e eu bebia daquilo muitas vezes. Tomei tomei pinga também. E depois passei a tomar o Interferon. Me lembro de sair doido por aí [por conta do efeito colateral do medicamento]. Aquilo era um inferno”.

“Aí, deixei o Interferon, mas veio a leptospirose, quando quase morri dessa doença do rato com a hepatite. Hoje tô aqui”, conta ele, de aspecto resignado, olhos amarelados, barrigão por acolá – duas características da enfermidade –,  mas sem deixar de lado o sorrisão maior que o mundo.

Equipe médica no trabalho de cirurgia do primeiro transplante de 2020 Foto: Odair Leal/Secom

Há 20 anos, se mudou de Feijó para Rio Branco onde formou família: a filha Cíntia, uma enteada e a mulher, Marlene. Trabalhou como pedreiro nas duas décadas. Hoje, vive da aposentadoria por invalidez, em decorrência do agravo da doença. Essa era a nona vez que Chico tentava o transplante.

Chico no momento em que o médico Leonardo Toledo chega para avaliar sua condição, antes de ser levado para a sala de cirurgia Foto: Odair Leal/Secom

Sempre que há um órgão disponível, dois pacientes ficam de prontidão para a cirurgia, mas o que vai definir quem ‘vai para a faca’ é o grau de gravidade deles, além de outros aspectos, ainda que muito menos relevantes como o tamanho do órgão, por exemplo.

Vinte anos depois, a porta de entrada para a nova vida; paciente no momento em que é levado para a sala de cirurgia Foto: Odair Leal/Secom

Ao som de clássicos como Beethoven, passando por Djavan e Gustavo Lima, as canções da playlist intercalava com o bip do monitor cardíaco, cadenciando uma áurea de tranquilidade e harmonia sentida na sala de cirurgia. “Vamos levar umas seis a sete horas”, prevê Toledo.

A gestão do governador Gladson Cameli optou por prioridade, em 2019, aos transplantes de órgãos na Fundação Hospitalar do Estado do Acre. Desse modo, no primeiro ano de gestão, foram 25 transplantes de fígado, rim e córnea bem-sucedidos . O último procedimento cirúrgico havia sido concluído na madrugada da segunda-feira, 28 de outubro, tendo se reiniciado em 2020, neste domingo, um marco para o governo acreano.

Do lado de fora, a mistura de satisfação e tensão era visível no rosto da filha Cíntia.

“Agora vou pra casa. Tentar dormir e chegar bem cedinho amanhã pra ver ele bem. Vai dar tudo certo, porque estamos orando a Deus. Tenho certeza que vai”, afirma, mãos suadas, enquanto arruma a bolsa para pegar o ônibus coletivo de volta ao Portal da Amazônia.

Hemoacre coleta 50 bolsas de sangue em Senador Guiomard

por Sesacre | publicado | última modificação 27 de janeiro de 2020

Campanha é recorde no município; Hemoacre agradece população e o apoio da Secretaria de Saúde local 

A Secretaria de Estado de Saúde do Acre, por meio do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre), comemorou os resultados da coleta de bolsas de sangue, que aconteceu ao longo de toda a quarta-feira, 22, em Senador Guiomard (município distante 25 quilômetros de Rio Branco).

Voluntários de Senador Guiomard durante doação de sangue em campanha do Hemocentro; população atendeu ao pedido dos agentes comunitários de saúde locais (Foto: Hemocentro do Acre)

Pelo menos 50 bolsas foram coletadas num esforço do estado e município pela doação de sangue.

Graças ao apoio da prefeitura local, que disponibilizou os seus agentes comunitários de Saúde, foi possível chamar os moradores dos bairros para que doassem sangue no ônibus do Hemoacre estacionado na praça central do município, segundo informa Josiane Amorim, gerente-geral do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre).

E os resultados foram considerados excelentes, com as 50 bolsas captadas, entre os 65 candidatos que compareceram para a doação. O número é mais que o dobro da última campanha no mesmo município, no ano passado, quando apenas 24 bolsas tinham sido obtidas.

Secretária de Saúde de Senador Guiomard, Valdenia Laurindo, ao centro, com a equipe de agentes comunitários e profissionais do Hemocentro; campanha na quarta-feira, 22, foi considerada um sucesso (Foto: Hemocentro do Acre)

“O apoio da secretária de Saúde de Senador Guiomard, Valdenia Alves Laurindo e de seus agentes comunitários de saúde foram fundamentais para o sucesso de nossa campanha, e fica a nossa gratidão por esses profissionais”, frisou Josiane Amorim.

O objetivo principal foi suprir necessidades eventuais de bolsas de sangue nas cirurgias eletivas promovidas pela Sesacre que acontecem há mais de uma semana, no Hospital Geral Dr. Ary Rodrigues, em Senador Guiomard.

Ali, dez cirurgias, em média, estão sendo realizadas por dia, atendendo estrategicamente a pacientes de pelo menos cinco localidades da região: Capixaba, Plácido de Castro, Acrelândia e Vila Campinas e a própria cidade de Senador Guiomard. Estima-se que na região vivam cerca de 110 mil pessoas.

Estado inicia força conjunta para acabar com demanda reprimida de exames

por Sesacre | publicado | última modificação 27 de janeiro de 2020

Largada foi dada neste sábado, 25, e realizará 200 procedimentos por semana, o dobro da demanda regular, zerando a demanda reprimida ainda este ano

Equipe da Saúde posa com garotinho que está sendo atendido por profissional médica com exame de ecocardiograma Foto: Junior Aguiar/Secom

Dores no estômago causavam desconforto e dificuldade de concentração em sala de aula para as irmãs Tamila e Taís Lima, de 17 e 18 anos, respectivamente, moradoras do bairro Santa Inês. E essa condição perdurou até que a mãe, Antônia Lima, 45 anos, procurasse a Unidade de Pronto Atendimento do Segundo Distrito, em novembro de 2018, para marcar consulta seguida de um agendamento de endoscopia para as duas, na Fundação Hospitalar do Estado do Acre (Fundhacre).

Secretário de Saúde, Alysson Bestene e a secretária-adjunta de Saúde, Paula Mariano, estiveram na Fundhacre para acompanhar primeiros exames da demanda reprimida, neste sábado, 25 Foto: Junior Aguiar/Secom

Um ano e dois meses depois, neste sábado, 25, as jovens finalmente puderam ser examinadas pelo Serviço de Atendimento Diagnóstico (Sadt), da Fundhacre, graças a um esforço conjunto da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) e do corpo médico de especialistas da Fundação comprometido em ampliar o atendimento sem comprometer a demanda regular diária.

Secretário Alysson Bestene e presidente-interino da Fundhacre, Marcelo Lima, conversam com pai do menino Victor Hugo, que foi submetido a exame de ecocardiograma Foto: Junior Aguiar/Secom

Se essa sensibilidade dos gestores da Sesacre e dos profissionais da Fundhacre não estivesse acontecendo, é bem provável que as adolescentes ainda tivessem de esperar por mais um ano para serem examinadas. A ideia é que em três ou quatro meses a demanda reprimida por milhares de exames seja desafogada, zerando a fila do diagnóstico , a exemplo do que já vem sendo feito com as cirurgias eletivas.

Antônia Lima, mãe das meninas Tamila e Taís, em conversa com o secretário de Saúde, Alysson Bestene; filhas fizeram exames de endoscopia Foto: Junior Aguiar/Secom

Esse novo alinhamento com os profissionais de Saúde é uma recomendação do próprio governador Gladson Cameli, e permitirá que, de agora em diante, sejam realizados por semana pelo menos 200 exames de colonoscopia, ecocardiogramas adulto e pediátrico, endoscopia e eletroencefalograma, entre outros exames, reduzindo gradativamente a demanda reprimida numa média de mil exames por mês até que a fila de exames, que remonta a 2017, seja totalmente zerada.

Antônia Lima, mãe das adolescentes Tamila e Taís, de 17 e 18 anos, esperava desde 2018 para exames de endoscopia nas filhas Foto: Junior Aguiar/Secom

Visivelmente feliz, ao encontrar o odontólogo Alysson Bestene, secretário titular da Sesacre, a diarista Antônia Lima fez questão de explicar a sua condição.

“Meu esposo tem problema na coluna cervical por conta de um acidente de trabalho quando era cobrador de ônibus. Está encostado por um salário mínimo e eu só ganho R$ 50 por dia, quando tem roupa pra engomar ou casa pra limpar. Então quando podíamos (sic) pagar uma endoscopia particular? Nunca”, afirmou, em tom de agradecimento.

Garotinho Rhyan Gabriel com a mãe, Maria Rafaela, aguardam para ser logo atendidos na sala de ecocardiograma Foto: Junior Aguiar/Secom

Bestene esteve na unidade na manhã deste sábado para verificar in loco os novos atendimentos. Participaram também da visita a secretária-adjunta de Saúde, Paula Mariano, e Marcelo Lima, presidente-interino da Fundhacre.

“Serão 100 exames a mais na rotina dos profissionais da Fundação Hospitalar, o que é extremamente importante para dar vazão às nossas filas de exames, haja vista que há pessoas que desde 2017 estão aguardando. Então o governador Gladson Cameli pediu que tenhamos um olhar sensível para a população e isso que estamos fazendo, trazendo dignidade e respeito por nossos pacientes”, pontuou Alysson Bestene.

Crianças são prioridades na ecocardiografia

Pelo menos 521 crianças serão atendidas com exames de ecocardiogramas, que começaram neste sábado. A demanda é considerada pequena diante de outros tipos de exames, mas não menos importantes.

Tanto que crianças como o garotinho Rhyan Gabriel, de onze meses, foi um dos primeiros a ser levado para a sala, onde uma médica iria avaliar o seu coraçãozinho, com suspeita de que tenha um ‘sopro’ como se chama popularmente uma má formação no órgão.

Secretário Alysson Bestene em visita à Fudhacre, que começou neste sábado, 25, os exames da demanda reprimida Foto: Junior Aguiar/Secom

“Estou na fila com ele desde fevereiro. E agora, graças a Deus, chegou a nossa vez. Não sei quanto mais iria esperar”, diz a mãe do menino, a dona de casa Maria Rafaela de Lima Costa, de 32 anos.

O garotinho Victor Hugo esperou muito mais. Há dois anos, ele aguardava para fazer exame igual ao de Rhyan. “Mamãe, aqui, tá tum-tum-tum”, disse o menino à mãe, por vários dias seguidos, enquanto levava a mão direita ao peito esquerdo até que Maria Eronildes, de 39 anos, entendesse que seria melhor levá-lo ao médico. “Hoje, estamos aqui. Vai dar tudo certo, porque Deus vai abençoar o Victor Hugo e as pessoas desse hospital”, disse a mãe.

Médicos atenderão até no terceiro turno

Edson Lumier, gerente do Serviço de Atendimento Diagnóstico da Fundhacre, afirma que o terceiro turno, que começará às 17 horas, também será usado para a realização de exames a partir de semana que vem.

“Nestes primeiros dias, estaremos realizando com maior intensidade os exames de ecocardiograma pediátrico e os de endoscopia. E já a partir de segunda-feira, 27, começaremos os exames de ecocardiograma adulto e as ultrassonografias abdominais e das chamadas partes moles do corpo”, explica Lumier.

Famílias esperam para ser atendidas na antessala dos exames na Fundhacre; demanda reprimida começou a ser atendida Foto: Junior Aguiar/Secom

Segundo o gerente, quando assumiu o setor, em 2 de fevereiro do ano passado, já fazia dois anos que o equipamento flexível para a realização de exames de broncoscopia estava quebrado.

“O aparelho foi consertado e, em muito breve, estará em funcionamento também o de broncoscopia do tipo rígido. São exames de alto custo na rede privada [até R$ 7 mil um único exame] que serão feitos por nós a custo zero para os pacientes”, lembra o gerente.

Alto Acre é a 2ª região a receber esforço estratégico para zerar fila das cirurgias

por Sesacre | publicado | última modificação 27 de janeiro de 2020

Empenho do Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, em desafogar a Fundação Hospitalar e Pronto-Socorro já chegou a mais de 80 procedimentos cirúrgicos, somente na região de Senador Guiomard

O Vale do Alto Acre, na fronteira com a Bolívia e o Peru, será a segunda região a ser beneficiada pelo Governo do Estado do Acre no seu esforço de zerar a fila das cirurgias eletivas no estado. A primeira foi Senador Guiomard (a 25 quilômetros de Rio Branco), quando desde o último dia 8 de janeiro, o Hospital Geral Dr. Ary Rodrigues passou a receber pacientes moradores de Capixaba, Plácido de Castro, Acrelândia, Vila Campinas e de Senador Guiomard.

Hospital Regional do Alto Acre Raimundo Chaar, em Brasileia, será referência para todas as cidades do Alto Acre, nas cirurgias eletivas da Secretaria de Estado de Saúde Foto: Arquivo/Secom

As eletivas são aquelas cirurgias em que o paciente realiza diversos exames, antes de ser submetido ao operatório, apresentando condições físicas seguras para ser submetido ao procedimento.

O objetivo é desafogar a fila das cirurgias médicas da Fundação Hospitalar do Estado do Acre (Fundhacre) e do Novo Pronto-Socorro de Rio Branco.

Paciente é preparado para cirurgia no Hospital Dr. Ary Rodrigues, de Senador Guiomard; procedimentos também terão início em Brasileia, na região do Alto Acre Foto: Odair Leal/Secom

Nesta quinta-feira, 23, uma equipe liderada pela médica Paula Mariano, secretária-adjunta de Estado de Saúde do Acre, esteve no Hospital Regional do Alto Acre Raimundo Chaar, de Brasileia (a 240 quilômetros de Rio Branco) para alinhar alguns pontos necessários para os primeiros procedimentos na região, que terão início já na segunda quinzena de fevereiro.

Secretária-adjunta de Saúde, Paula Mariano (primeira à esquerda) com a equipe do Hospital Raimundo Chaar, de Brasileia; unidade será referência para cirurgias eletivas no Alto Acre Foto cedida

“Estivemos acertando os detalhes necessários para que o hospital receba os especialistas e para que possamos beneficiar com cirurgias todas as pessoas que esperam na fila, residente nos municípios do Alto Acre”, destaca Paula Mariano.

Além de Brasileia, compõem o Vale do Alto Acre os municípios de Assis Brasil, na fronteira com o Peru, Epitaciolândia – que a exemplo de Brasileia, limita-se com a Bolívia – e ainda o município de Xapuri.

Paula Mariano, secretária-adjunta de Saúde, com gestores do Hospital Raimundo Chaar, de Brasileia Foto: cedida

Conforme Janildo Moraes Bezerra, diretor-geral do Hospital Regional Raimundo Chaar, cerca de 150 pessoas estão hoje na lista do pré-agendamento para serem cirurgiadas na região.

Esse número deve aumentar à medida que os profissionais vão dando vazão à demanda. “Nosso hospital hoje oferece 95 leitos de urgência e emergência e atendemos em média 170 pessoas por dia, no serviço ambulatorial. De modo que nossa equipe médica, de enfermagem e técnicos se sente preparada para auxiliar a equipe de especialista que virá de Rio Branco”, frisa Bezerra.

Paciente em cirurgia eletiva; procedimentos para zerar fila da Fundação Hospitalar e do Pronto-Socorro começaram no dia 8 deste mês, em Senador Guiomard Foto: Odair Leal/Secom

No Hospital Dr. Ary Rodrigues, de Senador Guiomard, mais de 80 pessoas da fila da cirurgia, moradores das cinco cidades já mencionadas, e que compõem a região, passaram pelo bisturi da equipe médica da Secretaria de Estado de Saúde do Acre, desde o dia 8.

Saúde expede mais de 130 passagens e zera demanda do TFD no estado

por Sesacre | publicado | última modificação 27 de janeiro de 2020

Emissão de bilhetes do Tratamento Fora de Domicílio dependia da liberação do orçamento geral do estado, que aconteceu no dia 20

O Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), restabeleceu nesta quarta-feira, 22, o sistema de emissão de passagens para os pacientes do sistema de Tratamento Fora de Domicílio (TFD).

A Sesacre estava no aguardo da liberação do orçamento do estado, ocorrida no último dia 20, para então poder emitir, pelo menos, 138 passagens de retorno ao estado e de deslocamento para fora do Acre.

Embarque especial de paciente em situação de urgência pelo sistema do TFD; emissão de passagens aéreas também é feita nas empresas de linhas aéreas regulares Foto: Arquivo Secom

São 74 viagens de retorno para o estado, que já estão acontecendo, sendo 37 delas para pacientes e 37 para acompanhantes; e outras 32 para pessoas em tratamento e 32 para acompanhantes saindo do estado, neste momento”, explica o gerente do setor, Marcelo Nery Vitorino.

O TFD é um mecanismo importante para que pessoas com problemas de saúde mais complexos, cujo tratamento não é fornecido no Acre, possam obter atendimento especializado em outros hospitais e centros específicos do país.

Estado garante ampliação das salas de cirurgias e a volta da radioterapia

por Sesacre | publicado | última modificação 27 de janeiro de 2020

Medidas emergenciais fazem parte de uma força conjunta do Gabinete Civil do governador com a Secretaria de Estado de Saúde e Secretarias de Fazenda e Planejamento, para melhorar o atendimento na Unacon e na Fundhacre

Secretário Alysson Bestene com a equipe de outras pastas governamentais liderada pelo secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, nesta quarta-feira, 22, na Fundhacre (Foto: Junior Aguiar/Secom)

“Agora, nós vamos ter todas as condições para trabalhar”. A frase de empolgação, acompanhada de um largo sorriso no rosto é do médico Miguel Guizzard, responsável técnico pela área de radioterapia e radiologia da Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon), como se chama o Hospital de Câncer do Acre, ao ouvir pessoalmente do secretário da Casa Civil, José Ribamar Trindade, e do secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene, que o Governo do Estado do Acre vai intervir imediatamente para que o acelerador linear volte a funcionar.

Secretário da Casa Civil, Ribamar Trindade, com o secretário de Saúde, Aysson Bestene, em inspeção ao centro cirúrgico da Fundação Hospitalar do Acre; ampliação de 4 para 7 salas vai permitir ir de 16 cirurgias para 30, diárias, na segunda quinzena de fevereiro (Foto: Junior Aguiar/Secom)

O equipamento é usado para o tratamento de pessoas com câncer, mas estava parado há mais de um ano, obrigando aos pacientes que precisam fazer radioterapia viajarem para outros estados pelo Sistema de Tratamento Fora de Domicílio.

De um lote de apenas 80 aceleradores enviados para todas as regiões do país, o Acre foi contemplado pelo Ministério da Saúde com um aparelho, que não estava em funcionamento porque as adequações no controle de umidade da sala não tinham sido feitas.

Equipe governamental esteve inspecionando centro cirúrgico, onde três novas salas serão criadas aumentando de quatro para sete e permitindo até 30 cirurgias por dia, ao final de fevereiro (Foto: Junior Aguiar/Secom)

Esta e outras questões, que até então comprometiam o bom funcionamento de alguns setores da Unacon e da Fundação Hospitalar do Estado do Acre (Fundhacre), foram verificadas, nesta quarta-feira, 22, por Trindade, em cumprimento a uma determinação do governador Gladson Cameli de aproximar a Casa Civil de todas as secretarias, para que o Gabinete possa ter um diagnóstico dos problemas estruturais, resolvendo as demandas menores no curto prazo e definindo metas para as maiores, até o final deste primeiro semestre.

Equipe governamental com profissionais da Unacon (Foto: Junior Aguiar/Secom)

Com o presidente interino da Fundhacre, Marcelo Lima, ao lado da secretária-adjunta de Saúde, Paula Mariano, e do secretário de Estado de Ciência e Tecnologia, Anderson Abreu Lima, Alysson Bestene e Ribamar Trindade percorreram as dependências das duas unidades, a Fundhacre e a Unacon, que funcionam juntas no complexo do Hospital das Clínicas na Via Verde.

Com a inspeção desta quarta, ficou definido, por exemplo, que os exames do acelerador linear, que vão permitir que sejam feitas as radioterapias no estado, serão retomados a partir do final de fevereiro, e que as cirurgias na Fundhacre também serão impulsionadas, passando dos atuais 16 procedimentos cirúrgicos diários para até 30.

Equipe do centro cirúrgico da Fundhacre em procedimento, na manhã desta quarta-feira, 22 (Foto: Junior Aguiar/Secom)

Uma semana será o tempo necessário para que as três salas cirúrgicas, que estavam desativadas sejam reformadas, aumentando a disponibilidade de quatro para sete salas cirúrgicas já a partir da segunda quinzena de fevereiro e início de março.

“Nós conhecemos toda a estrutura [da Fundhacre e da Unacon]. Vimos que temos problemas estruturais. Muitos que podem ser resolvidos de imediato e vamos ter, já na próxima semana, uma previsão de mais três salas de cirurgias”, destacou Ribamar Trindade.

Ribamar Trindade esteve inspecionando o centro cirúrgico, na manhã desta quarta-feira, 22, com o secretário Alysson Bestene, a secretária-adjunta Paula Mariano e o presidente interino da Fundhacre, Marcelo Lima (Foto: Junior Aguiar/Secom)

Conforme o secretário de Saúde, Alysson Bestene, o empenho do governador Gladson Cameli de integrar a equipe de governo, trazendo as pastas do Planejamento e da Fazenda capitaneadas pela Casa Civil para observar in loco as demandas da Saúde, promove mais celeridade na resolução dos problemas, sobretudo os de urgência.

Marcelo Lima, presidente interino da Fundhacre (ao centro) com os demais membros do governo ouvem o médico Miguel Guizzard, responsável técnico pela área de radioterapia e radiologia da Unacon (Foto: Junior Aguiar/Secom)

“Com essa integração, vamos poder trazer melhorias para a Saúde, atendendo melhor a população, aproximando as equipes de governo. Como o nosso governador Gladson tem dito sempre, a Saúde é uma prioridade do seu governo”, afirma Alysson Bestene.

“E o foco, nesse início de ano, é o de dar uma resposta para a população do nosso estado, com um maior número de leitos, dando muito mais resolutividade”, completa o secretário.

Médico elogia postura do estado de colocar equipamentos para funcionar

Responsável técnico pela área de radioterapia e radiologia da Unacon, o médico Miguel Guizzard enalteceu o empenho do Governo do Estado do Acre em recuperar setores que ele classifica como “extremamente importantes para que os pacientes sejam atendidos com a dignidade que merecem”.

Médicos do centro-cirúrgico da Fundhacre em ação; cirurgias devem aumentar de 16 para 30 por dia, na segunda quinzena de fevereiro (Foto: Junior Aguiar/Secom)

“Dependemos dos equipamentos funcionando e, apesar de todas as dificuldades que vínhamos enfrentando, buscamos sempre oferecer o melhor atendimento aos nossos pacientes e, agora, com esse empenho importante, nós vamos ter todas as condições para trabalhar”, pontuou o profissional, momentos depois de ter conduzido a equipe do governo a conhecer alguns setores sensíveis da Unacon.

Síndrome do coração partido: quando a dor emocional causa sintomas semelhantes aos do infarto

por Sesacre | publicado 22 de janeiro de 2020 | última modificação 22 de janeiro de 2020

Quem nunca teve o coração partido e sofreu por amor? A poetisa brasileira Martha Medeiros já expressou tal sensação que aperta o coração em um de seus poemas intitulado A dor que dói mais, que fala justamente sobre uma saudade dolorosa por alguém que já se foi. Quando enfrentamos uma perda, desilusão ou tristeza profunda a dor emocional é tanta que, muitas vezes, a sensação é de que ela se transfere para o corpo. E de fato isso acontece.

Mas o que pouca gente sabe é que essa dor emocional pode efetivamente gerar consequências graves. Esse sofrimento que pode surgir após uma situação de intenso estresse emocional tem um nome e pode ser grave o suficiente para levar o paciente ao óbito. Trata-se da síndrome do coração partido um problema cardíaco causado por uma emoção negativa muito forte, como o término de um casamento, a descoberta de uma traição, um acidente ou a perda de um ente querido.

Apesar de rara, a síndrome ocorre com muito mais frequência em mulheres acima dos 40 anos, principalmente as que se encontram no período pós-menopausa, mas pode surgir em qualquer idade, afetando também homens e pessoas idosas. A causa exata da doença ainda não está bem definida pela medicina, acredita-se que o excesso de adrenalina provocado por uma emoção forte provoque mau funcionamento cardíaco.

O quadro clínico da síndrome do coração partido é bem semelhante com o do infarto agudo do miocárdio, cujos sintomas mais comuns são caracterizados por dor súbita no peito e falta de ar, mas outros sinais também podem ocorrer como tonturas e vômitos, perda de apetite e dor no estômago, raiva, tristeza profunda ou depressão, dificuldade para dormir, cansaço excessivo, perda de autoestima ou sentimentos negativos.

Em termos mais técnicos, a síndrome do coração partido também é conhecida como Síndrome de Takotsubo ou, ainda, cardiomiopatia induzida por estresse, uma doença do músculo cardíaco que pode surgir não apenas após eventos ruins, saber que ganhou na Mega-Sena ou receber uma promoção inesperada podem também funcionar como fatores de risco para a manifestação da síndrome.

Gatilhos perigosos

Alguns gatilhos conhecidos da cardiomiopatia de Takotsubo são: notícias de uma morte inesperada de um ente querido; uma notícia muito triste, como diagnóstico de câncer avançado de um parente próximo; violência doméstica; perda súbita e inesperada de grande quantidade de dinheiro; festa surpresa; divórcio; perda do emprego, entre outras situações de grande estresse.

O tratamento para a síndrome do coração partido deve ser orientado por um clínico geral na emergência ou um cardiologista. Por algum tempo, essa patologia foi tida como uma doença psicológica, mas estudos mostraram que, nos pacientes acometidos pela síndrome, os ventrículos do coração realmente não contraem corretamente e simulam um infarto do miocárdio, tendo semelhança com um coração partido.

O cardiologista Erisson Farhat, explica que a síndrome do coração partido ocorre devido a uma disfunção ventricular Foto Júnior Aguiar/Secom

O cardiologista Erisson Farhat, que atende na Fundação Hospitalar do Acre e no Pronto-Socorro de Rio Branco, é quem explica isso, destacando também que nos casos mais graves, pode ser necessário internação hospitalar, tratamento medicamentoso, psicológico e em alguns casos psiquiátrico.

Farhat explica que a síndrome do coração partido ocorre devido a uma disfunção ventricular, mas geralmente essas disfunções voltam a ficar normais. “Quanto a ser semelhante ao infarto, de fato a dor se assemelha, mas temos de observar o quadro clínico, o eletrocardiograma e as enzimas cardíacas para definir se é infarto, se houver dúvida pede-se o cateterismo cardíaco. Geralmente, o tratamento para a síndrome do coração partido é bem rápido, com o paciente sentindo melhoras dos sintomas em poucos dias. No entanto, nos casos mais graves, em que seja necessária a internação, o tratamento pode ser mais prolongado. Também pode haver a necessidade de um encaminhamento para ajuda com psicólogos ou psiquiatras para a superação do trauma que está causando o acúmulo de estresse emocional”, observa.

Sintomas da síndrome do coração partido

O paciente com síndrome do coração partido pode apresentar alguns sintomas, como:

  • Aperto no peito;
  • Dificuldade para respirar;
  • Tonturas e vômitos;
  • Perda de apetite ou dor no estômago;
  • Raiva, tristeza profunda ou depressão;
  • Dificuldade para dormir
  • Cansaço excessivo;
  • Perda de autoestima, sentimentos negativos ou pensamento suicida;

Caso a dor no peito seja muito forte ou o paciente tenha muita dificuldade para respirar, o cardiologista recomenda ir ao pronto-socorro para fazer exames, como eletrocardiograma e exames de sangue, para avaliar o funcionamento do coração.

Cuide-se!

Não existe nenhuma fórmula eficaz para prevenir a síndrome do coração partido, mas

Praticar esportes, atividades físicas ao ar livre e ter uma alimentação mais saudável podem ser bons aliados para combater a síndrome e outras doenças, uma vez que representam a oportunidade de sociabilizar, reduzindo o isolamento social e contribuindo não apenas com o bem-estar do coração, mas com a saúde de um modo geral.