Ir direto para menu de acessibilidade.

Unidade de Pronto Atendimento: criticada por uns, salvação para a maioria

por Sesacre | publicado 19 de fevereiro de 2020 | última modificação 19 de fevereiro de 2020

Na  reportagem especial, entenda por que as UPAs de Rio Branco tornaram-se referência, até mesmo para pessoas com dores de cabeça

Enfermeira na sala de raio-X à espera de mais um paciente na UPA da Sobral; profissionais são engajados a atender da melhor forma possível as pessoas que procuram a unidade Foto: Odair Leal/Secom

Num ato de desespero, dois indivíduos ameaçam agredir uma enfermeira em meio a dezenas de pessoas que esperam ser atendidas na Unidade de Pronto Atendimento Franco Silva, a UPA da Sobral. Hostilidades com o dedo em riste e palavrão atrás de outro tentam intimidar a profissional, que posteriormente relatou as agressões em boletim de ocorrência na polícia.

Na Cidade do Povo, um esquema especial da Base Integrada de Segurança Pública, inaugurada no último dia 29 de janeiro pelo governador Gladson Cameli, passou a funcionar junto à delegacia da 2ª Regional e garante a segurança de pacientes e servidores da UPA Dr. Edilberto Parigot Filho, a menos de 100 metros das instalações policiais.

Servidora da UPA da Cidade do Povo: setor é o primeiro a receber os pacientes, antes da enfermeira que fará a triagem, segundo a classificação por cores, na parede Foto: Odair Leal/Secom

Mas afinal, por que as UPAs, algumas vezes, se tornam ambientes de insatisfação, quando deveriam ser locais de respeito e de muita compreensão pelo trabalho dos profissionais que ali estão?

Não são raras as agressões verbais, e até físicas, contra equipes que têm um único objetivo: o de salvar vidas.

Pacientes na área de farmácia na UPA da Cidade do Povo: medicamento gratuito após consulta com médico plantonista Foto: Odair Leal/Secom

De janeiro a dezembro de 2019, pelo menos 53,87% da classificação de risco da UPA da Sobral foram de pacientes na condição verde, seguido da cor amarela (27,47%). Depois é que vem a vermelha, com 9,37%, e a laranja, colada nos 8%. Significa dizer que no ano passado, 54.357 pessoas tiveram que aguardar atendimento na condição de ‘pacientes verdes’, um média de 4,5 mil por mês, para que outas 9.524 pudessem ter prioridade na condição de emergência, algo em torno de 850 pessoas por mês.

Na UPA da Sobral Franco Silva, pessoas aguardam para serem atendidas no saguão principal Foto: Odair Leal/Secom

“Tudo o que queremos é fazer o nosso melhor às pessoas. Desenvolvemos o nosso trabalho da melhor forma possível, com quatro médicos nos três turnos. Mas por ter a região da Sobral uma população muito numerosa, muita gente vem e, inclusive, absorvemos demandas de outros bairros da cidade também”, ressalta Michela Lemos, gerente-geral da UPA da Sobral Franco Silva.

Michela Lemos, gerente-geral da UPA da Sobral: “Viramos posto de saúde. Porta aberta mesmo” Foto: Odair Leal/Secom

“A maioria é [classificação] verde e essas pessoas se estressam, porque ficam esperando. Isso gera angústia e elas ficam nervosas, porque não entendem que primeiro temos que atender a urgência e a emergência. É aí que dá o transtorno”, completa a gestora, dizendo que “nós viramos posto de saúde. É porta aberta mesmo”.

Tailine Borges, de 29 anos, estudante de enfermagem, tomava soro na terça-feira, 11, enquanto esperava ser examinada pelo médico plantonista, após suspeita de ter contraído dengue.

Tailine Borges, de 29 anos, moradora do conjunto Esperança, procurou a UPA da Sobral após suspeita de contágio da dengue Foto: Odair Leal/Secom

Natural de Porto Walter, acredita que contraiu o vírus em Cruzeiro do Sul, próximo da sua cidade natal, no Vale do Juruá, onde passou a maior parte das últimas férias. A região enfrenta um surto da doença.

Borges mora no conjunto Esperança e optou pela UPA da Sobral, porque no Módulo de Saúde do Esperança, onde há uma base da Unidade de Saúde da Família, não se realiza exames, embora sejam disponibilizados consultas médicas, vacinas e curativos.

“Eu me sinto segura aqui. Não desmerecendo o atendimento de outros locais, mas acredito que aqui seja melhor”, diz.

Entrada da UPA da Sobral Franco Silva, onde em 2019, mais de 50% dos atendimentos foram de consultas que poderiam ser feitas nas unidades de saúde do município Foto: Odair Leal/Secom

Em 2019, mais de 360 mil passaram pelas UPAs, a população dos seis maiores municípios juntos

Pelo menos 360.405 pessoas recorreram às três Unidades de Pronto Atendimento da capital acreana, de janeiro a dezembro de 2019. O número é maior que a população dos seis mais populosos municípios do Acre: Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Tarauacá, Feijó, Brasileia e Xapuri, que juntos tem 218.875 moradores.

Pessoas esperam ser atendidas, depois da triagem; atendimentos nas UPAs de Rio Branco são, em sua maioria, congestionados porque as pessoas não optam pelas unidades de saúde municipais Foto: Odair Leal/Secom

A UPA do Segundo Distrito foi a que mais registrou atendimentos. No total 175.894 pessoas, seguida da UPA da Sobral Franco Silva, com 124.422 assistências. Os números revelam o quanto as unidades exercem papel fundamental na vida dos moradores da capital que recorrem ao Sistema Único de Saúde.

“A maioria dessas pessoas poderia estar sendo atendida nas unidades básicas de saúde, que são de categoria verde”, ressalta Joyce Maia, gerente-geral da UPA Dr. Edilberto Parigot Filho, na Cidade do Povo.

“No entanto, o que é importante é que ninguém, absolutamente ninguém, saia sem ser atendido. Levamos à risca o que o SUS determina e o lema dele é o nosso lema”, diz a gestora.

UPA lotada e Urap vazia: na prática, o dilema da ‘descompensação’ do SUS

Morador da Sobral é atendido por recepcionista da UPA Franco Silva: unidade foi responsável por mais de 120 mil atendimentos em 2019 Foto: Odair Leal/Secom

Apenas 400 metros separam a UPA da Sobral da Unidade de Referência em Assistência Primária (Urap) Dr. Augusto Hidalgo de Lima, na Baixada da Sobral. A primeira é administrada pelo Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Saúde, e a segunda, pela Prefeitura de Rio Branco, sob a responsabilidade da Secretaria Municipal de Saúde.

Na terça-feira, dia 11, quando esta reportagem começou a ser produzida, fotos tiradas às 10h42 do saguão da UPA mostraram o recinto lotado de pessoas à espera de atendimento.

Quase ao mesmo tempo, às 10h48, num intervalo de seis minutos, portanto, imagens feitas na Urap revelavam que a área de espera praticamente vazia, quase sem ninguém que não sejam as pessoas que recorrem à farmácia da unidade. (nas fotos abaixo)

Foto: Odair Leal/Secom
Foto: Odair Leal/Secom
Foto: Odair Leal/Secom

O outro lado

Questionados pela reportagem se havia médico, os plantonistas na recepção da Urap Dr. Augusto Hidalgo de Lima disseram que sim, mas “que ele já havia atendido a todas as fichas”.

O sistema de atendimento em regime de senhas permite que o profissional realize as consultas de acordo com um número determinado de fichas, e para por aí. Salvo em caso de emergência, quando uma criança, eventualmente, poderá chegar com vômitos, ela é atendida. Mas algo muito raro porque os pais, geralmente, vão direto para a UPA ou para o Pronto-Socorro.

Quem não conseguiu senha ou vai esperar o dia seguinte ou recorrerá à UPA, esta última, em tese, indicada para casos de média e de alta complexidades, os de urgência e de emergência. Mas que atende a todos, indistintamente.

Se o Módulo de Saúde ‘fecha pra balanço’, a UPA está aí para isso

Marciane da Silva Lima, de 44 anos, bateu cedo na porta do Módulo de Saúde Francisco Eduardo de Paiva, no Rui Lino, bairro onde ela mora. Na manhã da última terça-feira, acometida por dores de cabeça, imaginava que seria atendida ali mesmo. Foi informada de que os profissionais da unidade estavam em reunião.

Módulo de Saúde Francisco Eduardo de Paiva, no bairro Rui Lino, em imagem registrada na quinta-feira, 13; sala de espera praticamente vazia Foto: Odair Leal/Secom

Dali percorreu oito quilômetros até a UPA Franco Silva, na Sobral. “Eu estava decidida a não retornar para casa passando mal”, explica ela, que trabalha como lavadeira de roupas.

Lima engrossou a lista de espera na classificação verde da UPA, porque não encontrou atendimento em uma das mais de 60 unidades básicas, centros e módulos de saúde administrados pelo município de Rio Branco, a maioria na periferia.

O outro lado

Procurada, a administradora do Módulo de Saúde Francisco Eduardo de Paiva confirmou que o módulo fechou para um encontro de avaliação das suas atividades com os funcionários. “As reuniões acontecem periodicamente para alinharmos alguns pontos, justamente, para o bom funcionamento, e a terça-feira foi um desses dias”, disse a coordenadora, optando por não dizer o seu nome.

Somente numa parte da cidade, print do Google Maps mostra várias unidades básicas de saúde, as UBS, administradas pelo Município de Rio Branco; essas unidades, que estão espalhadas pela cidade, poderiam atender à demanda que vai para as UPAs e algumas que vão também para o Pronto-Socorro de Rio Branco Foto: Google Maps

No feriadão de janeiro, rush chegou a 1,2 mil atendimentos na UPA da Sobral em um dia

UPAs sobrecarregadas, sobretudo, nos feriados, são resultados de uma política desigual de atendimento, em que a atenção primária não desempenha bem a sua parte, acarretando sobrecarga nas unidades de média e alta complexidades Foto: Odair Leal/Secom

No cartaz pregado no portão, a mensagem tenta ser clara: “Só haverá expediente na segunda-feira, dia 26/01/2020. Só serão agendadas 16 fichas”. Na Unidade Básica de Saúde (UBS) José Gomes de Oliveira, no bairro João Paulo, na parte alta da Sobral, o servidor só se equivocou na data, já que segunda-feira caiu em 27 de janeiro e não no dia 26.

A sua intenção foi dizer que a UBS só reabriria após o feriadão de católicos e evangélicos, entre os dias 23 e 24, uma quinta e sexta-feira, e após o sábado, 25, e domingo, 26, ou seja, na segunda-feira, 27, e com 16 senhas disponíveis para consultas.

Gráfico mostra que atendimentos com consultas para adultos na UPA da Sobral chegaram a 6.546 nos primeiros dias de 2020 Fonte: Gerência da UPA Franco Silva

No feriadão muitas UBS do município de Rio Branco não abriram as suas portas e esta decisão tem claros indícios de que pode ter reverberado no aumento de atendimentos nas UPAs da capital.

Na Sobral, região que tem mais de 20 UBS, o pico de atendimento chegou a 1,2 mil pacientes no primeiro dia de feriado.

“Nunca tínhamos visto tanta gente”, lembra Arianny Brito, responsável pelo Atendimento e Acolhimento da UPA da Sobral. “Em situações como essas é que percebemos muito bem que a maioria [dos pacientes] é da atenção básica, com classificação verde”, explica a profissional.

O gráfico acima mostra que de 1º de janeiro ao dia 27 do mesmo mês, ao menos 6.546 adultos foram atendidos com consultas médicas, enquanto que em segundo vieram as consultas pediátricas: 1.671. Oitenta e uma crianças estiveram sendo atendidas em situação de emergência.

Apesar de portaria, crianças não ficam sem atendimento

Enfermeira posa para a foto com criancinha que acabou de ser medicada; apesar de UPA não ser classificada para ter pediatras, público infantil é prioritário na unidade Foto: Odair Leal/Secom

Na condição de porte três numa escala que vai até oito, a UPA da Sobral não dispõe legalmente de um médico pediatra. E embora esta condição seja baseada em portaria do Ministério da Saúde, nem por isso as crianças deixam de ser incluídas como pacientes prioritários.

Esse é o caso da pequena Manuela, de 11 meses, que chegou febril à unidade nos braços da mãe, Thaila Menezes da Silva, 29 anos, e acompanhada do pai Fabiano Antônio Lima da Silva, 23. “Está tudo bem. Acho que ainda demorou um pouco, mas agora vai”, dispara a mãe, minutos antes de entrar na sala de enfermagem.

Thaila Silva, 29 anos, com o esposo, Fabiano Silva, 23, em atendimento na UPA Franco Silva: “acho que ainda demorou um pouco, mas agora vai” Foto: Odair Leal/Secom

Explica José Martins de Souza Junior, gerente de Assistência em Saúde da UPA, que pela legislação, a sua unidade não tem pediatra. “Gostaríamos, até de ter, mas não temos. No entanto, nem por isso o clínico deixa de atender a criançada. Ele é o mesmo profissional que atende aos idosos”, diz Souza Junior.

A divisão de atribuições das UPAs, das Unidades de Saúde da Família, das Unidades Básicas de Saúde e dos Centros e Postos de Saúde é regulada pela Portaria nº 2.048, do Ministério da Saúde, de 5 de fevereiro de 2002.

Garotinha no atendimento da UPA da Sobral; profissionais atendem com toda a atenção, de crianças a adultos e idosos Foto: Odair Leal/Secom

O documento, que pode ser acessado a um clique na internet, classifica também as Unidades de Pronto Atendimento de acordo com os seus portes, que podem ir de um a oito, seguindo a critérios como, por exemplo, o tamanho da população local.

Servidores aposentados da Policlínica do Tucumã são homenageados

por Sesacre | publicado | última modificação 19 de fevereiro de 2020

Após tantos anos dedicados à Saúde e ao dom de cuidar do outro, o ciclo profissional do sr. José Adekson de Araújo, da dona Vilma Leite Bandeira, da Maria Júlia de Oliveira Abreu e da Adnízia Félix do Rego encerrou na manhã desta terça-feira, 18. Todos esses profissionais trabalhavam na Policlínica do Tucumã.

O sr. Adekson recebeu o reconhecimento e carinho pelo tempo de serviço desenvolvido na unidade Foto: Cedida.

A direção da unidade, como forma de agradecer aos profissionais por tanto tempo em que se dedicaram ao serviço, organizou um singelo café da manhã e, na mesa, um dos pratos principais foi a gratidão. 

“A importância desse café da manhã surgiu como um forte estímulo emocional e de respeito, promovendo a valorização desses profissionais que tanto serviram à população”, destacou o diretor da unidade, João Paulo. 

O carinho de quem dedicou-se a cuidar do outro por tanto tempo Foto: Cedida.

Outro importante e belíssimo prato à mesa, o reconhecimento, foi desfrutado através de lembranças, presentes e  discursos sentidos e carinhosos dos colegas. “Fizemos um momento de agradecimentos pelos serviços prestados à Saúde do estado”, contou o diretor. 

O pedido para a homenagem, segundo João Paulo, veio do governador do estado, Gladson Cameli. “Afinal, agora estão em um novo ciclo de independência e autonomia na vida pessoal. Essa ação é um pedido direto do nosso governador Gladson Cameli”, pontuou João Paulo.

Treinamento capacita servidores do Pronto-Socorro e garante melhorias no atendimento

por Sesacre | publicado 18 de fevereiro de 2020 | última modificação 18 de fevereiro de 2020

A alta demanda de usuários que procuram os serviços de saúde tem sido um grande desafio em pleno século XXI, não só para as unidades públicas em todo o Brasil, mas também para as unidades de saúde privadas. A padronização dos processos de atendimento, capacitação continuada de colaboradores, melhoria na capacidade de atendimentos e serviços, de modo a desafogar filas de esperas são soluções que fazem parte do Projeto Lean, desenvolvido pelo hospital Sírio Libanês em 2018 e que faz parte do programa federal de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do SUS (Proadi-SUS).

O projeto chegou ao Acre na manhã desta segunda-feira, 17, e através de uma parceria entre governo e o Ministério da Saúde, capacitará todos os profissionais de saúde do Pronto-Socorro do Hospital de Urgência e Emergência do Acre, considerado a maior unidade de referência em saúde em todo o Estado.

A fase de intervenção dura em média seis meses com encontros quinzenais e, após o término desse período, a equipe de controle do projeto acompanha os resultados por mais 12 meses para garantir a manutenção a longo prazo das melhorias introduzidas nas unidades com foco na redução de filas e superlotação dos leitos.

“O Lean é uma filosofia de gestão voltada para melhoria de processos baseada em tempo e valor. Veio  para atender uma demanda reprimida, que é diminuir a superlotação nas portas de entrada dos serviços de saúde de urgência e emergência, por meio da melhoria da capacidade operacional, da organização dos fluxos e processos de trabalho e, principalmente, do envolvimento da equipe com a gestão do hospital. Com certeza todas essas ações trarão um atendimento mais resolutivo e com qualidade para os pacientes que utilizam os serviços do SUS”, explica o consultor do projeto, Guilhermo Sócrates.

A equipe de consultores do projeto vem do hospital Sírio Libanês Foto: Júnior Aguiar/Sesacre

A ideia é garantir a redução do tempo que os pacientes esperam por atendimento no hospital, reduzindo também a superlotação nos corredores, leitos e salas de espera entre outros problemas.

“São inúmeras ações que serão trabalhadas no hospital com o propósito de otimizar os recursos, sem gastar nada, só utilizando o que temos. Queremos a garantia de que o paciente seja bem atendido, no tempo correto e de maneira correta, sem precisar ficar indo de unidade em unidade. Esperamos resolver com isso todos os problemas da saúde no nosso estado? Não, mas temos que começar e logo. O programa é só uma das ferramentas, teremos outras ações a serem desenvolvidas ao longo da gestão”, finalizou o diretor geral do Pronto Socorro, Areski Peniche.

O diretor informou que todos os profissionais do hospital devem passar pelo treinamento Foto: Júnior Aguiar/Sesacre

Hemoacre comemora resultados da campanha pré-carnavalesca de doação

por Sesacre | publicado 17 de fevereiro de 2020 | última modificação 17 de fevereiro de 2020

Enquanto muitos se preparam para os dias de folia, o Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre), como de costume em datas comemorativas, vem se mobilizando para captar o maior número de bolsas de sangue. Com a preocupação de manter o estoque de sangue abastecido, o Hemoacre realizou neste sábado, 15, o dia D da campanha nacional Junta Brasil.

A ação foi um sucesso e superou as expectativas do Hemoacre Foto Júnior Aguiar/Secom

A ação foi um sucesso e superou as expectativas da unidade.  “A campanha nacional Junta Brasil é realizada anualmente, porém esse ano no Hemoacre superou as expectativas que a gente imaginava. Neste sábado, Dia D da campanha, já passaram mais de 150 pessoas por aqui, o que para nós está sendo um resultado excelente. A dimensão dessa campanha sem dúvidas superou nossas expectativas, mas ela não acabou. Seguimos até a próxima quarta-feira nessa mobilização, por isso os doadores continuam comparecendo à unidade para doar sangue, que para nós nunca é demais”, destaca a gerente geral do Hemoacre, Josiane Amorim.

Campanha incentiva voluntários a doar sangue em época pré-carnavalesca Foto: Júnior Aguiar/Secom

O servidor público e um dos coordenadores da campanha articulada pelo Movimento Nacional de Voluntariado Transforma Brasil, Francisco Progênio, fala da iniciativa durante o período do carnaval para facilitar as doações de sangue através do engajamento cívico.

Aqui no Acre o projeto Olhar Diferente foi o escolhido para organizar essa ação que acontece em todos os estados. A estratégia usada foi convidar outros 11 projetos sociais locais para atuar em parceria com o Transforma Brasil, na campanha de doação de sangue.

“A nossa meta era bater 100 bolsas.  Além de ser um ato humano, de amor, a campanha de doação de sangue também está relacionada ao período carnavalesco, que costuma ter redução de até 30% no estoque de sangue dos hemocentros do país, sendo uma época com muitos registros de acidentes de trânsito.Portanto, necessita de maior quantidade de bolsas disponível nas unidades”, observa.

O Hemoacre fica localizado na Avenida Getúlio Vargas, n° 2787, bairro Bosque, e funciona de segunda-feira a sábado, das 7h às 18 horas, sem intervalo para almoço.

Quem pode doar

Maiores de idade em boas condições de saúde, pesando no mínimo 50 kg, bem alimentados e que tenham tido uma boa noite de sono. É necessário também apresentar um documento original com foto, como: RG, Carteira de Trabalho, Carteira Nacional de Habilitação, aplicativos do e-título e da CNH digital. Os homens podem doar sangue, regularmente, a cada dois meses e, as mulheres, a cada três meses.

Saúde Itinerante em Plácido de Castro inova ao agendar exames complexos de ortopedia

por Sesacre | publicado | última modificação 17 de fevereiro de 2020

Parceria com a regulação da Sesacre e com o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia contribui para zerar a fila da demanda reprimida

O Programa Saúde Itinerante, da Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) nos municípios, esteve em Plácido de Castro (distante 90 quilômetros de Rio Branco), nesta sexta-feira, 14, e no sábado, 15. Pelo menos 33 profissionais, entre médicos, enfermeiros, assistentes sociais, técnicos de laboratório e de enfermagem participaram do segundo atendimento do Saúde Itinerante de 2020.

Secretário de Saúde, Alysson Bestene, com o prefeito de Plácido de Castro, Gedeon Barros (primeiro da esquerda para direita), e com a equipe do Programa Saúde Itinerante no município; pelo menos 33 profissionais de saúde participaram do atendimento na cidade, nesta sexta e sábado Foto: Odair Leal/Secom

O primeiro havia ocorrido na sexta-feira, 7, e no sábado, 8, no município de Porto Acre, totalizando 2.045 atendimentos. Já os números de Plácido devem sair nesta segunda-feira, 17.

A novidade nesta edição de Plácido de Castro ficou por conta da parceria entre Sesacre e o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia no Acre (Into/AC), que permitiu que alguns exames da ortopedia fossem regulados para o instituto.

Moradores de Plácido de Castro aguardam para ser atendidos pelos profissionais do Programa Saúde Itinerante; serviços médicos e de exames foram levados na sexta e no sábado para a comunidade local Foto: Odair Leal/Secom

Nesses casos, segundo explica a coordenadora do Saúde Itinerante, Rosemary Fernandes Ruiz, o paciente é atendido e já sai com o agendamento para fazer o seu exame no Into/AC, uma inovação do programa graças ao apoio imprescindível dos profissionais do setor de Regulação da Sesacre.

Moradores de Plácido de Castro aguardam para ser atendidos pelos profissionais do Programa Saúde Itinerante, neste final de semana; programa teve 33 profissionais de saúde envolvidos diretamente Foto: Odair Leal/Secom

O secretário de Estado de Saúde, Alysson Bestene, acompanhou de perto o trabalho do Saúde Itinerante, cumprimentando os profissionais, parabenizando a todos e fazendo questão de ouvir a população que compareceu ao espaço emprestado pela escola Franklin Roosevelt, na região central da cidade. Crianças, jovens, adultos e idosos que buscavam alento para os seus problemas com os profissionais que ali atenderam.

Secretário de Saúde, Alysson Bestene, conversa com donas de casa de Plácido de Castro prestes a serem atendidas pelos profissionais do Programa Saúde Itinerante; pelo menos 33 profissionais participaram desta edição Foto: Odair Leal/Seom

Ao lado do prefeito de Plácido de Castro, Gedeon Barros, Bestene percorreu as salas de atendimentos e conversou com os profissionais e pacientes.

“Essa parceria entre estado e prefeitura faz com que você possa trazer uma resolutividade para a população dos municípios, e, no caso de Plácido de Castro, a gente percebe que essa junção das atividades primárias com as de médias e de altas complexidades permite que se resolva [os problema de saúde] aqui mesmo, o que nos deixa muito felizes”, pontuou Bestene.

Morador de Plácido de Castro demonstra satisfação de estar sendo atendido pelo Saúde Itinerante ao prefeito Gedeon Barros e ao secretário de Saúde, Alysson Bestene Foto: Odair Leal/Secom

Conforme o secretário de Saúde, essa felicidade se concretiza na medida em que se comprova que é possível dar eficiência ao Sistema Único de Saúde (SUS). “É exatamente isso que a gente entende por fazer saúde, é você trazendo os princípios do SUS para interior, atendendo a população com qualidade e incentivando cada vez mais o programa, inclusive com as condições ideais para que os profissionais possam ir por todo o estado”, completou Alysson Bestene.

Médico do Saúde Itinerante em atendimento a paciente; pelo menos 33 profissionais participaram do programa em Plácido de Castro, neste final de semana Foto: Odair Leal/Secom

Nesta edição, a população placidiana foi contemplada com consultas especializadas em ortopedia, cardiologia, neurologia, pediatria e ginecologia. Exames de eletroencefalograma, ultrassonografia, ecocardiograma, de prevenção ao câncer de colo uterino e laboratoriais foram disponibilizados na escola, enquanto que um profissional médico no Hospital Dr. Manoel Marinho Monte realizava exames de endoscopia.

Profissional de laboratório em análise de exames no Programa Saúde Itinerante de Plácido de Castro; dedicação em servir a comunidade Foto: Odair Leal/Secom

Ainda segundo Rosemary Ruiz, para reduzir a demanda reprimida das cirurgias ortopédicas, o Saúde Itinerante, que em outubro de 2019 esteve em Plácido de Castro fazendo um levantamento das necessidades desses procedimentos, a equipe de médicos voltará ao município no próximo dia 28 de março, para atender a essa demanda.

Moradores de Plácido de Castro aguardam para serem atendidos pelos profissionais do Saúde Itinerante, neste final de semana; programa ofereceu 33 profissionais para a comunidade Foto: Odair Leal/Secom

O que disseram o prefeito e algumas pacientes

“Parabenizo o Governo do Estado, por meio da Sesacre, por esse apoio fundamental para a nossa população. Estamos satisfeitos porque a gente só se fortalece diante da grande dificuldade que é se deslocar com as pessoas necessitando de saúde para a capital. Nós fazemos isso, o transporte delas até a Fundação [Hospitalar do Estado do Acre] e para outros hospitais, mas a demanda reprimida por atendimentos é muito grande no município. Então, nós, todos os placidianos, estamos agradecidos pelo governo”.

Prefeito de Porto Acre, Gedeon Barros

Antônia Gomes dos Santos esteve no Saúde Itinerante para realizar o exame de ecocardiograma Foto: Odair Leal/Secom

“Vim fazer um ecocardiograma. Sou hipertensa com diabetes e vinha sentindo falta de ar e palpitação no coração. O Saúde Itinerante é melhor que a gente ir para Rio Branco. Além da correria que é ter de ir para lá, a estrada aqui tá muito ruim. Agradeço ao governo e à prefeitura por trazer o médico cardiologista até nós”.

Antônia Gomes dos Santos, 54 anos, dos quais os últimos vinte está sendo como técnica de enfermagem da Saúde de Porto Acre

“Hoje, acho que a minha pressão [arterial] baixou muito. Vim fazer a ultrassonografia para ver como está o bebê. Foi muito bom ter chegado essa equipe aqui pra nós. Assim, eu vou saber se o neném continua bem na minha barriga. Estou cansada e um pouco mal por causa da pressão, mas feliz por estar nas mãos de médicos”.

Taciane da Silva, 25 anos, grávida de seis meses

Os números do Saúde Itinerante em 2019

Consultas médicas: 6.097

Terapias individuais e em grupos: 5.074

Exames laboratoriais: 3.271

Atendimentos odontológicos: 2.157

Exames com finalidade diagnóstica*: 1.799

Total de atendimentos: 12.301

* Receitas médicas atendidas; serviço social; atendimento de enfermagem e roda de conversa;

Saúde e Policlínica alinham estratégias de atendimento aos municípios

por Sesacre | publicado | última modificação 17 de fevereiro de 2020

O objetivo da reunião entre o diretor da Policlínica do Tucumã e Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Departamento de Atenção Primária, Políticas e Programas e Estratégicos (Dape), foi o de traçar estratégias para a potencialização dos serviços que estão sendo oferecidos ao municípios. 

Estratégias visam melhorar o atendimento aos municípios Foto: Cedida

De acordo com o chefe do Dape, Luiz Marinho, foi a primeira vez que houve a manifestação para que a parceria fosse firmada, com possibilidade de melhoria do serviço na unidade. 

“Essa parceria é muito importante, pois levará ao alinhamento não somente de alguns serviços da Policlínica como também auxiliará diretamente os municípios em diversos pontos”, destacou Luiz Marinho. 

Ainda, segundo Luiz Marinho, um levantamento será realizado para pontuar as demandas dos municípios. “Nessa parceria ficou encaminhado que o diretor da Policlínica irá realizar um levantamento de todas as demandas para juntos sanarmos, melhorarmos e ampliarmos a demanda em questão, se necessário”, salientou. 

Saúde alinha ações para ampliação dos cuidados de adolescentes em conflito com a lei

por Sesacre | publicado | última modificação 17 de fevereiro de 2020

A Política Nacional de Atenção Integral à Saúde de Adolescentes em Conflito com a Lei (Pnaisari), tem como objetivo garantir e ampliar o acesso aos cuidados desses adolescente. Assim, a Secretaria de Estado de Saúde do Acre, por meio do Departamento de Atenção Primária, Políticas e Programas Estratégicos (Dape), esteve reunida com a promotora Vanessa Muniz e a responsável da política, no município,  Maria Dilziane. 

Dape e promotora Vanessa Muniz e a responsável pela Pnaisari, Maria Dilziane estiveram reunidos para alinharem ações Foto: Cedida

A reunião teve como objetivo a apresentação do fluxograma elaborado por diversos setores para realização de atendimento e encaminhamento do interno para os postos de atenção de baixa, média e alta complexidade. 

“O município tem quatro centros socioeducativos e habilitados nesta política. Apresentamos um fluxograma feito em conjunto com Samu, Dape e outros segmentos”, explicou o chefe do Dape, Luiz Marinho. 

Ainda, segundo Luiz, foi debatida a possibilidade de assistencialismo na área psiquiátrica, mesmo dependendo de entidades maiores. 

“Além disso teve outros pontos como o assistencialismo psiquiátrico, também, fazer esse cruzamento do interno com a média e alta complexidade e ficou traçado de tomarmos algumas ações e acrescentar ao fluxograma”, finalizou.

por Sesacre | publicado 14 de fevereiro de 2020 | última modificação 14 de fevereiro de 2020

Educação profissional firma convênio com Fundação Hospitalar

O Governo do Estado deu encaminhamento a mais uma agenda positiva na consolidação dos avanços na oferta de educação técnica de qualidade à sociedade acreana. Trata-se de uma parceria firmada nesta quinta-feira, 13, entre o Instituto Estadual de Educação Profissional e Tecnológica (Ieptec) e a Fundação Hospital Estadual do Acre (Fundhacre).

A parceria vai contemplar alunos concludentes dos cursos da Escola Técnica em Saúde Maria Moreira da Rocha com a realização de estágio supervisionado no âmbito da unidade hospitalar que, por sua vez, potencializará os serviços ofertados à sociedade com maior suporte e apoio a sua equipe de profissionais técnicos.

Os estágios serão realizados nas instalações da Fundhacre Foto: Ascom/Ieptec

“Agradeço a sensibilidade da Fundhacre em entender a importância da urgência na construção dessas parcerias. Aproveitamos a oportunidade para colocar a educação profissional do estado à disposição para estreitarmos laços em mais agendas positivas como esta”, disse o presidente do Ieptec, Francineudo Costa.

No encontro, a importância da formação técnica foi destacada por ambos os gestores, bem como foi dado encaminhamento a novas parcerias. Desta vez, para oferta de capacitação e Cursos de Formação Inicial e Continuada (Fics) aos profissionais do hospital.

“Deveríamos ter feito estas parcerias antes. Mas estamos satisfeitos em poder dar encaminhamento agora e bater o martelo para que nossos funcionários passem por uma reciclagem para melhor atender à sociedade”, disse o presidente da Fundhacre, Moisés Marcelo de Lima.

O encontro também deu encaminhamento a parcerias de oferta de capacitação e Cursos Fics aos profissionais da Funchacre Foto: Ascom/Ieptec

Participaram ainda da agenda, o responsável pelo Centro de Especialidades Odontológicas (CEO) da Fundhacre, Leonardo Sousa, e a coordenadora da Escola Técnica em Saúde Maria Moreira, Adriana Alves.

por Sesacre | publicado | última modificação 14 de fevereiro de 2020

Hemoacre e Galvez fecham parceria e time realiza doação de sangue

Apita o árbitro!

No ritmo frenético de uma partida de futebol, entre dribles e chutes, de longe, na arquibancada lê-se algo: Salve um time inteiro. Doe sangue! A ação de solidariedade foi do time do Galvez, em parceria com a Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre), por meio do Centro de Hematologia e Hemoterapia do Acre (Hemoacre), para chamar a atenção de possíveis doadores de sangue.

Uma partida de futebol pela vida Foto: Odair Leal/Secom

Um time inteiro realizando doação. Os jogadores, juntos, marcaram um golaço, daqueles que ficam gravados na mente de quem assiste à partida.  Segundo a gerente administrativa do Hemoacre, Milena Dias, a parceria foi fechada após uma conversa com o presidente do Galvez. 

“Tivemos uma conversa sobre a importância da doação voluntária, pois o que acontece muito aqui no Hemoacre é que as pessoas vêm doar sangue pra um parente ou amigo que esteja precisando, por exemplo”, explicou. 

Um time inteiro realizando doação chama a atenção para a doação voluntária Foto: Odair Leal/Secom

Com esse tipo de iniciativa o objetivo, de acordo com Milena Dias, é fazer com que a população perceba e entenda a importância da doação voluntária, que é aquela para deixar no estoque. “É para que a pessoas tenha ciência que ela pode estar retornando ao Hemocentro”, destacou. 

Homens podem realizar doações de dois em dois meses, e mulheres, de três em três meses, explica Milena. “Porque hoje a gente sabe que o Hemoacre dá suporte para cirurgias cardíacas, para transplantes e pacientes que precisem de sangue para um tratamento”, disse. 

Mas é preciso criar uma cultura de doação de sangue na população. “É preciso conscientizar a população da importância dessa doação voluntária, da pessoa saber que a partir de um tempo determinado ela pode estar retornando ao Hemocentro”, salientou Milena Dias. 

Galvez perdeu o jogo, mas ganhou no quesito solidariedade e humanidade. Só por isso, eles, os jogadores, já são campeões na partida da vida  Foto: Odair Leal/Secom

O time Galvez faz jus ao nome, inspirado na importante figura da história acreana, o imperador Galvez. Assim, fornecendo munição, o líquido precioso da vida, a quem precisa. 

Galvez perdeu o jogo, mas ganhou no quesito solidariedade e humanidade. Só por isso, eles, os jogadores, já são campeões na partida da vida. 

Sesacre realiza oficina para apresentação do Plano Estadual de Saúde

por Sesacre | publicado | última modificação 14 de fevereiro de 2020
A reunião de trabalho, que teve início nesta quinta-feira, 13, conta com a parceria do Conselho Nacional de Secretarias da Saúde (Conass); Foto Odair Leal/Secom

Durante dois dias, responsáveis pelas áreas técnicas da Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), além de diretores e assessores, participam de uma oficina para a conclusão do planejamento estratégico e apresentação do Plano Estadual de Saúde, cujo objetivo tem como prioridade a definição das metas e estratégias da pasta.

A reunião de trabalho, que teve início nesta quinta-feira, 13, conta com a parceria do Conselho Nacional de Secretarias da Saúde (Conass) e discute, entre outras coisas, detalhamento do plano de ação para o objetivo estratégico  é organizar e estruturar  os serviços assistenciais que ofertam procedimentos de média e alta complexidade.

“Contamos com o apoio do Conass e já estamos na fase de conclusão para a implantação do que foi pactuado no Plano de Saúde para organizar os serviços. E agora com esse final do projeto, dessa parte da implantação, vamos por para funcionar e eles vão nos monitorar para ver nossas respostas”, destaca a secretária-adjunta de Saúde, Paula Mariano.

Na sexta-feira, 14, a agenda segue com o seminário de apresentação do Plano Estadual de Saúde 2020/2023 e do Projeto de Fortalecimento da Gestão Estadual.